As doenças das gengivas, que também podemos chamar de doenças periodontais, constituem um conjunto de patologias, que segundo o Dr. Hugo Pires (Médico Dentista / Periodontologista na Remiclínica) vão “... desde a gengivite (a mais leve) à periodontal mais agressiva (a Periodontite), passando também (e ainda segundo o mesmo) por “... pequenas ou grandes recessões gengivais, que são problemas relacionados com a gengiva que envolve o dente que podem trazer tanto problemas estéticos como alguma sensibilidade dentária pelo fato de deixar parte da raíz do dente exposta e desprotegida.”.

Como podemos então definir gengivite? 

Numa primeira fase, as bactérias causam apenas inflamação da gengiva e consequentemente uma gengivite. Ficamos perante uma patologia reversível. No entanto a situação poderá evoluir para uma periodontite. Como? Caso a gengivite inicial não seja tratada, as bactérias podem também atingir o osso e, nessa altura, causar então uma periodontite. 

Assim, e ainda segundo o Dr. Hugo Pires ficamos perante “... uma patologia crónica multifatorial (um deles será a predisposição genética) em que temos acima de tudo que fazer prevenção, pois apesar de não se conseguir erradicar consegue-se travar a sua evolução”.

De referir ainda que esta patologia conduz a uma perda de suporte do dente, com a sua consequente mobilidade e, nos casos mais severos, poder-se-á mesmo chegar à sua perda.

Mas então quais são os fatores que mais contribuem para este tipo de patologias?

Indiscutivelmente, o principal será a placa bacteriana. No entanto, fatores como “... o desleixo por parte dos pacientes, falta de motivação, falta de instrução e desconhecimento até…”, segundo o Dr. Hugo Pires, em muito contribuem para a situação. Tabaco, genética (como falado anteriormente), alguns tipos de medicação, stress ou mesmo doenças sistémicas também dão o seu contributo para as mesmas.

Conclui-se então ser primordial atualizar a sua Ficha de Saúde (anamnese) sempre que haja qualquer alteração do tipo de medicação que esteja a fazer.

O principal sintoma será o sangramento gengival mas também temos que ter em conta a alteração de cor das gengivas, aumento da sensibilidade dentária, recessão das gengivas, mobilidade dos dentes, aparecimento de abcessos gengivais ou mesmo o mau hálito persistente.

Para finalizar, e ainda segundo o Dr. Hugo Pires, tal como falado anteriormente, a melhor maneira de prevenir a doença nas gengivas será através de uma boa higiene oral assim como de um acompanhamento periódico nas consultas de controlo.

Marcar uma Consulta
Nome (Obrigatório)
Telémovel (Obrigatório)
Data pretendida (Obrigatório)
Especialidade
Observações
Transcreva os seguintes números: 6855
Fechar
Será contactado pelos nossos serviços logo que possível para confirmar a consulta.
Será contactado pelos nossos serviços logo que possível para confirmar a consulta.